Desagravos públicos

Quando assistentes sociais avaliam que tiveram sua honra profissional ferida por algum sujeito que não seja assistente social, podem dar entrada em uma denúncia, por escrito, de desagravo público junto ao Conselho. Na denúncia, devem constar os nomes de denunciantes e denunciados, e descrição circunstanciada dos fatos, além de possíveis documentos que comprovem o alegado.

A denúncia será analisada por um conselheiro relator e, eventualmente, com o apoio de um assistente social de base, que, a seu critério, ouvirá as partes e possíveis testemunhas e anexará documentos.

Ao final, é elaborado um parecer, indicando o arquivamento ou, de fato, a desonra. Neste caso, é realizado um ato de desagravo público, amplamente divulgado, onde o parecer final é lido publicamente.

Desagravos públicos realizados

Ato de desagravo público em favor da assistente social CASSIANA FERREIRA SIMÕES

No dia 16 de outubro de 2012, às 14:00h, no Teatro do SINDIPETRO, localizado na Rua Tenente Rui Lopez Ribeiro, nº 257, Centro, Macaé/RJ, foi realizado ATO DE DESAGRAVO PÚBLICO referente à denúncia 05/2010.

O parecer do Conselheiro Relator Carlos Felipe Nunes Ferreira, aprovado pelo Conselho Pleno do CRESS-RJ, registra a ocorrência de ofensa cometida pela Sra. MARIA DO CARMO MALATESTA contra a honra da assistente social CASSIANA FERREIRA SIMÕES em seu exercício profissional, no Hospital Municipal de Macaé. O parecer foi lido pela conselheira Júnia de Souza Elias, para conhecimento de todos os presentes durante o ato de desagravo.

Reconhecida a violação dos direitos da assistente social, previstos no Artigo 2º do Código de Ética Profissional, espera o CRESS-RJ, com este ato, inibir outras atitudes que possam ofender a honra de assistentes sociais no cotidiano do exercício qualificado de sua profissão.